top-memorial-brasil-artes-cenicas-nordestina
 
  marcas_topo_site3
           
Janahina Cavalcante PDF Imprimir E-mail

Foto_2._JanaDançarina, formada em ballet clássico, produtora e professora, Janahina Cavalcante nasceu em Fortaleza (Ceará), onde, iniciou os seus estudos e criações em dança.

Não por acaso, a atual coordenadora pedagógica do curso de Educação Profissional Técnico Nível Médio em Dança da Escola de Dança da Funceb, começou a dançar por uma iniciativa da escola de ensino formal que era estudante, tendo escolhido as aulas de dança entre as alternativas de atividade física.

No ano seguinte às aulas de dança na escola, em 1987, tendo onze anos de idade, foi informada pela professora de dança que haveria seleção para bolsas de estudo na Academia de Ballet Goretti Quintela. Levada por sua mãe para prestar o exame, foi selecionada na academia, onde estudou os nove seguintes anos de sua vida.

Vencendo as dificuldades financeiras, sempre com apoio de sua mãe, após seis anos na academia Goretti Quintela, passou a dar aulas na própria academia como contra partida para manter-se estudando, sendo que, as bolsas de estudo nesse período já haviam passado a ser parciais e posteriormente, se encerrado.

Sua primeira turma como professora na academia era formada por quinze crianças com idades entre três e quatro anos. Passou a ensinar em outras turmas para arcar com despesas como o transporte de sua casa à academia.

Após nove anos de estudo tornou-se a primeira bailarina da academia de Ballet Goretti Quintela. Neste período dançava em aniversários, casamentos, mostras e participava de diversas atividades artísticas em sua cidade. Como primeira bailarina, teve a oportunidade de dançar balés de repertório como o Dom Quixote, O Corsário, Paquita, A Viúva Alegre, Carmem e outros.

Em 1999 começou a frequentar o Colégio de Dança do Ceará, como aluna do curso de Capacitação de Bailarino. "O Colégio de Dança é uma das poucas alternativas de espaço para dança no Ceará", diz a artista. O curso teve duração de um ano, neste período, Janahína teve acesso a conceitos, formas e estéticas da dança até então desconhecidas por ela. Experimentou-se na dança contemporânea e participou de diversas oficinas como teatro, acrobacia e tecido, com artistas de diversas partes do Brasil.

Janahína considera sua ida ao Colégio de Dança do Ceará uma "virada enquanto sair do lugar da bailarina clássica para ocupar o lugar de uma bailarina, de uma intérprete. [...] Deixando algumas organizações corporais exclusivas do ballet e passando a entender quem realmente é enquanto artista".

Participou também de diversas montagens, como A Dança de Clarice, de Andréa Bardawil; Outro Tango, de Paulo Caldas; Diversus, de Ricardo Barreto e História Colorida, de Ângela Souza. Atuou como bailarina convidada em algumas escolas e grupos de Fortaleza – Ce, como o Ballet Municipal de Fortaleza, Ballet Helena Coélis, Grupo de Dança Contemporânea Pano de Boca, Cia. da Arte Andanças e Cia. Vatá, onde atuou como professora e ensaiadora do grupo durante um ano. Teve participação em três Bienais de Dança no Ceará e vários festivais em Recife – Pe, Belém – Pa e Niterói – Rj.

Esteve no I Ateliê de Coreógrafos Brasileiro em Salvador – Ba, no ano de 2002, selecionada como intérprete do espetáculo Memórias em Desalinho, de Karin Virginia. Morou na cidade de Salvador pela primeira vez, durante os três meses de ensaio que antecederam I Ateliê, contando com o apoio de amigos e alguns cachês de trabalhos realizados em Fortaleza – Ce, morou dois, dos três meses, em um hotel. Retornando à Fortaleza atuou como intérprete criadora no espetáculo Música para as Rosas, produzido juntamente com Mariana Carleial.

O ano de 2004 reservou mudanças à Janahina. Em dezembro do ano anterior foi informada que o Núcleo Viladança, grupo residente do Teatro Vila Velha, promoveria seleção para compor o elenco do espetáculo José Ulisses da Silva, de Cristina Castro. Em janeiro de 2004 a bailarina retorna a Salvador para a seleção, que tinha o formato de uma semana de aulas com a companhia.

No fim do mês de janeiro foi informada de sua aprovação. O processo começou em março e teve duração de três meses. Abrindo mão de suas atividades e das turmas que era professora em Fortaleza – Ce, Janahina, neste momento optou por dançar. Cursar graduação em dança foi uma das motivações que a trouxeram à Salvador.

Dançar no Núcleo Viladança, a princípio teria a duração de três meses, porém, suas atividades foram renovadas por mais três meses e a bailarina ficou em Salvador dançando até o fim do ano de 2004, sendo convidada a compor outros repertórios do núcleo.

No Núcleo Viladança dançou nos espetáculos: Sagração da Vida Toda, José Ulisses da Silva e no musical infanto-juvenil Da ponta da língua a ponta do pé, de Cristina Castro, que fizeram parte do projeto Palco Giratório do Sesc em 2006. Participou também da montagem de Aroeira – com quantos nós se faz uma árvore, também de Cristina Castro, com trilha sonora de Milton Nascimento.

Com o espetáculo Da ponta da língua à ponta do pé, participou do projeto Rodando a Bahia, onde se apresentou em onze cidades do interior da Bahia.

No fim de 2004 prestou vestibular para o curso de Licenciatura em Dança, da Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia. A notícia de sua aprovação chegou através da ligação de seu pai, que estava em Fortaleza – Ce. Começou a cursar a graduação em 2005. Durante o curso tentou construir conhecimentos e usufruir tudo o que a Escola de Dança poderia oferecer. Conheceu pessoas, fez amigos, participou do Diretório Acadêmico com a chapa que se chamava D. A. dos Insistentes, reivindicando por melhores condições e educação de qualidade.

Ainda na Universidade Federal da Bahia, formou-se no curso de Especialização em Estudos Contemporâneos em Dança e, atualmente é estudante do curso de Pedagogia, na Faculdade de Educação.

Além das atividades no Núcleo Viladança e na Escola de Dança da UFBA, participou de eventos como o II Festival Danza em La Ciudad Bogotá al encuentro del movimento, na Colômbia; a IX Edição / Etapa Ceará & Maranhão do Festival do Teatro Brasileiro Cena Baiana, no Ceará em 2009 e a VII Edição / Etapa Pernambuco do Festival do Teatro Brasileiro Cena Baiana.

Em Salvador teve a oportunidade de participar do espetáculo Em Breve, de Jorge Silva, Exilados de Capela e Poesia de um Corpo, de Anderson Rodrigo. Foi assistente de produção do espetáculo "SAFO" do grupo CoMteMpu's. É assistente de coordenação da Mostra Casa Aberta, projeto que integra o Festival Internacional VIVADANÇA desde 2008, realizado pelo Núcleo Viladança, no mês de abril.

Em 2007 começou a estagiar na Escola de Dança da Fundação Cultural do Estado da Bahia, dando aulas para adultos no turno noturno. Atualmente é coordenadora pedagógica do Curso de Educação Profissional Técnico Nível Médio em Dança.

Janahina Cavalcante vê com bons olhos a sua trajetória artística em Fortaleza – Ce e em Salvador – Ba, nela, a dança e a educação sempre estiveram aliadas. A cada movimento, a artista traz no corpo os lugares, as escolas, os repertórios e as experiências que a dança a proporcionou. Janahina afirma que, fica em Salvador até quando a cidade à expulsar e "se fosse embora de Salvador, não voltaria para Fortaleza, preferiria ter saudades dos dois lugares e ir para outro lugar".

Veja abaixo, o vídeo de trabalho de Janahina Cavalcante com os alunos da escola de dança da FUNCEB

 
FacebookGoogle BookmarksGoogle BuzzLinkedinMySpaceTwitter