top-memorial-brasil-artes-cenicas-nordestina
 
  marcas_topo_site3
           
Luiz Lago PDF Imprimir E-mail

lago_foto_reduzidoLuiz Milton Lago, conhecido como Seu Luiz e/ou Palhaço Chupeta, filho da lavadeira Eremita Lago, nasceu em Catu, interior da Bahia, em 24 de fevereiro de 1943. Caçula de quatro filhos de uma família humilde morou na Rua Luiz Viana, conhecida como Rua da Fontinha. Na infância, dividia-se entre a escola e os cuidados com o irmão Aguinaldo, surdo e mudo, enquanto a mãe trabalhava. Nunca priorizou os estudos. Quando criança só queria brincar de futebol com os amigos no Campo dos Coqueiros, apesar de ter feito todo o primário até a quinta série, no Colégio Estadual Dr. Inocêncio Góes. Fizera, ainda, o exame para admissão do ginásio, mas não pode cursar uma vez que em Catu não havia escolas especializadas, nesta época.

Desde menino, a presença de um circo na sua cidade sempre lhe encantara, fazendo-o montar circos de brincadeira com os amigos. Aos 11 anos de idade buscava conhecer os artistas de circo e entender seu funcionamento. Por causa de uma paixão de infância, Alice, chegara a acompanhar o Circo Nerino, que passara pela cidade, até as cidades de São Sebastião do Passé e Santo Amaro da Purificação. A partir dai, apaixonou-se pelo universo do circo e inspirou-se para começar no circo, atuando como ajudante e aprendendo aos poucos alguns números, percurso este que caracteriza a formação de grande parte dos artistas de circo.

Ainda quando criança, Luiz Lago foi iniciado no Alto Falante, no qual começara com a instalação nos postos, passando à sonoplastia e locução. Trabalhou como locutor de rádio até adulto passando pelo Auto Falante Ouro Negro, depois pela Catuense Publicidade, Radio Brasil, Serviço de Alto Falante da Baixa do Sapateiros, Rádio Cruzeiro em Salvador e pela Rádio Sociedade, em Feira de Santana.

Após perder a mãe, aos dezesseis anos e ficar algum tempo em Catu, dormindo em becos e esquinas, pois tinha medo de morto, foi carregado de corpo e alma pelo circo, especificamente, pelo circo de tourada, conhecido pelo nome de Circo de Touro Dois Irmãos, hoje conhecido como Irmãos Power. Neste circo, trabalhara como locutor, anunciando e animando a plateia; trabalhara também como "vigia de arame", porteiro, secretário do circo, estabelecendo os negócios entre o circo e os fazendeiros da região. No final, acabou por estrear como palhaço na arena, sob o nome de Isplicadinho, tentando distrair os bois quando os toureiros estavam em perigo.

Com o Circo de Tourada, Luiz Lago viajou para Pojuca, depois para Estância, em Sergipe. Passou a integrar o Circo Novo México, a partir do qual aperfeiçoou-se e tornou-se, durante a década de 1960, o reconhecido palhaço Chupeta Zebedeu de Amoxibada da Imaculada Conceição Futebol Clube Vulgo Albuquerque. Posteriormente foi para o Circo de Pinga-Fogo, no qual deveria participar do espetáculo O Homem Enterrado Vivo, mas desistira e atuara como locutor. Foi nesse circo que conhecera Rosanita, mais conhecida como Anita Jane, com a qual fora embora deste circo, voltado ao Circo Novo México, entrando em Pernambuco. Aos 18 anos, cansado de correr na frente do touro, saiu do circo quando este começou a entrar em falência, e formou uma trupe com cinco artistas, com qual saiu dando show pelo nordeste. O grupo Show da Alegria encenava em salões de festa, auditórios, quermesses, teatros, cinemas, apresentando números de palhaço, contorção, acrobacias.

Após o fim da trupe, vendeu a casa de sua mãe para ir com Anita para São Paulo, cidade dela. Menor de idade e desempregado foi procurar emprego com Silvio Santos, que era então agenciador de emprego nas fábricas. Seu primeiro emprego fora na fábrica Nadir Figueiredo, fabricante de copos e utensílios domésticos em vidro. Posteriormente foi para a Sociedade Americana de Máquinas (SIAM), na qual se acidentara e ficara afastado pelo INSS.

Após se separar da mulher e estar desempregado, voltara à Bahia, na qual trabalhara na Petrobras, como vigilante. Envolvera-se novamente com o circo abandonando por um tempo a Petrobrás, mas retornando posteriormente. Ao conhecer Maria da Conceição que era rumbeira do circo, abandonara novamente a Petrobrás para viver no circo com a mulher e trabalhar como palhaço. Com a morte do dono do circo e o fechamento deste pela viúva, retornara a Salvador, onde morara com Conceição em Pau da Lima, e onde tivera três filhos Luiz Carlos, Roxana e Marcos.

Após a separação da esposa, Luiz Lago conhecera o Circo Renascente, de Alagoinhas, no qual trabalhara como mestre de cena do Palhaço Ferrolho e trouxera para Salvador, obtendo sucesso. Posteriormente, conhecera a dona do Circo Tupi e com ela vivera e tivera dois filhos. Após a morte da esposa, tornara-se, pela primeira vez dono de circo e abandonou a Petrobrás para se dedicar ao circo que recebera um novo nome: Circo Holliday, com o qual passara por diversos bairros de Salvador e pela Ilha de Itaparica.

Depois de largar mais uma vez o circo, reencontra os irmãos Tapajós, com quem trabalhara no circo de touros, e começara a trabalhar em Trios Elétricos. Contudo, o trio elétrico não era negócio para ela. Por esse motivo, aos 26 anos, ao conhecer o Mágico Jymme, começa a trabalhar como assistente de mágico, chegando ao interior de Sergipe. Seu personagem, o Palhaço Chupeta começa a trabalhar Circo Irajá, onde Luiz conhece sua atual esposa, a filha do dono do circo. Ao perceber a aproximação da filha com o palhaço Chupeta, o dono do Circo Irajá mudara-se para Entre Rios, na Bahia. Luiz Lago tentara trabalhar com o sogro, mas não persiste. Assim, em 1977, muda-se com sua esposa, Dona Cida, e monta o Circo Havaii, sem lona de cobertura. Posteriormente, Luiz Lago trabalhou com seu cunhado Soló, que tinha um pequeno circo chamado Dallas e deixara o circo Havaii sob os cuidados do seu concunhado. Após ambos os circos se encontrarem em situação precária, Luiz Lago reúne os restos dos circos Havaii e Irajá sob o nome de Circo Dallas.

Em 2002, Luiz Lago foi convidado para participar de uma reunião com o Secretário de Artes Cênicas do Ministério da Cultura para debater as questões da área e estabelecer uma política cultural para o circo. No final de 2006, participou ativamente da mobilização dos circenses, que culminou, em 2007, no II Encontro de Artistas de Circo da Bahia, que deu início a Cooperativa de Circenses da Bahia, na qual o Circo Dallas é uma dos cooperados fundadores.

Luiz Lago continua a frente do Circo Dallas, contando com a ajuda dos filhos, "circulando por onda a estrada levar...".

 
FacebookGoogle BookmarksGoogle BuzzLinkedinMySpaceTwitter